Lá Vem a Nau Catrineta (28)

Novembro 6, 2004

novembro 06, 2004

Lá vem a Nau Catrineta
Que tem muito que contar
São Paulo Portas à Proa
Santanás a comandar
Ouvi agora senhores
uma história de pasmar

D. Bagão conta o pilim
D. Morais trata das velas
D. Guedes limpa com VIM
tachos pratos e panelas
D. Pereira na enfermaria
conta pensos e emplastros
E o D. António Mexia
põe vaselina nos mastros

Razando o Cabo Espichel
eram três da madrugada
armou-se um bruto granel
num canto junto à amurada

Mas o que é que motivara
toda aquela confusão?
O que fôra que gerara
gritaria até mais não?

O calafate-arquiteto
que ordenara proibir
passar por baixo de um teto
que ameaçava ruir

Era o teto da passagem
de um corredor estreitinho
usado p’la marinhagem
para encurtr o caminho
que desde o convés levava
bem ao fundo do porão
vejam o transtorno que dava
fechá-lo do pé para a mão!

…”Ide chamar D. Mexia…
-vociferava a orda irada –
…queremos esta porcaria
quanto antes arranjada!”

…”Quanto antes? Ora essa!
que pescam disto vocês?
fazendo bem e depressa
no mínimo demora um mês!”

…”Que ninguém tente passar
se houver quem desobedeça
está sujeito a levar
com o teto na cabeça!”

“…A culpa de tal estado
foi do nosso Capitão
que ali no salão ao lado
fez um buraco no chão
quando uma certa vez
teve uma ideia bué estranha:
ligar o salão Marquês
com a saleta Saldanha…

…Ao desatar à mocada
no duro chão de carvalho
a vibração provocada
fez este belo trabalho!…

…Não escutou o engenheiro
tal a sua obsessão
e foi mais um sapateiro
a querer tocar rabecão!…

…Aqui o vosso parceiro
só vê uma solução:
usar a sala Areeiro
que tem escada p’ró porão!”

Após nova gritaria
e apupos a Santanás
eis que surge D. Mexia
e o capitão logo atrás

“…Ora vamos lá a saber
o que se passa afinal!
falai que quero entender
a causa do cagaçal!…

…Triste sina a que me segue
“encosto” um bocado e záz!
Já um homem não consegue
dormir uma sesta em paz?…

Mais uma vez vos pergunto:
Qual é então a razão
qual o motivo, o assunto
de mais esta confusão?”

“…D. Santanás, Senhor Nosso
-exclama um na molhada –
a razão deste alvoroço
é que a malta está lixada!

O que vos deu, capitão?
p’ra sacardes da marreta
e fazer um buracão
no chão da Nau Catrineta?

O que fosteis arranjar!
Vós só fazeis é cagada!
agora temos que dar
volta e meia na amurada!”

“…Se fossem inteligentes
conseguiam alcançar
mas como são uns dementes
lá vou ter que explicar!

Representas os canalhas
agitador comunista?
Pensarás que és o Carvalhas
ou o Louçã Bloquista?

Sabede que antes de El-Rei
fazer de mim Capitão
nos sítios onde passei
em tudo o que puz a mão
No Sporting, na Figueira,
na Câmara da Capital
arranjei sempre maneira
de deixar o meu sinal

Se prestassem atenção
seus marujinhos da treta
achariam a razão
porque agarrei na marreta
é a sina que eu abraço
p’ra lá de outras desgraças
meter tudo onde passo
num buraco do caraças!